Sancionada a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

Sancionada a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

0 Comentários

Foi sancionada nesta terça-feira (14/08/2018) a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) brasileira. O Brasil se tornou então o 128º país do mundo a contar com uma legislação especial sobre a proteção de dados pessoais.

Mesmo já tendo sido sancionada, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) só “comecará a valer” em 18 (dezoito) meses, dando assim tempo para as Startups e demais empresas, governos, associações e até mesmo outros usuários se prepararem para cumprir a nova legislação.

Sim, a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) brasileira fará com que as Startups e outras empresas que coletam, armazenam e processam dados pessoais vai afetar diretamente essas empresas.

O presidente da República vetou, como já havíamos previsto em outras análises, a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). Mesmo com pelo menos 50 (cinqueta) ocorrências da expressão “autoridade nacional” no texto da lei, a autoridade não foi criada e para muitos pesquisadores do tema alegam que a fiscalização da lei e sua interpretação ficaram comprometidas.

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) se aplica ao tratamento: desde os procedimentos da coleta até o uso, o armazenamento, o compartilhamento e a exclusão de dados pessoais.

Os Dados Pessoais são aqueles entendidos como: qualquer informação que identifique ou torne identificável uma pessoa natural, incluindo, mas não se limitando a: nome, RG, CPF, geolocalização, gostos, interesses, realizado em território nacional ou de indivíduos localizados no território nacional, mesmo que por empresas e Startups localizadas fora do Brasil.

Uma breve análise da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD):

Em termos gerais, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) é fortemente inspirada no GDPR (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) da União Europeia, e trará uma enorme mudança de paradigma na forma como os dados pessoais estão sendo utilizados hoje. À partir de agora, as empresas e Startups deverão criar uma cultura de proteção de dados dentro de suas organizações.

O Princípio da Finalidade

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) é regida pelo princípio da finalidade, por meio do qual os dados coletados deverão ser utilizados apenas para as finalidades específicas para as quais foram coletados e devidamente informados aos titulares destes dados.

O Princípio da Minimização da Coleta

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) também é regida pelo prncípio da minimização da coleta, ou seja, somente deve ser coletados os dados mínimos necessários para que se possa atingir a finalidade da empresa ou Startup.

O Princípio da Retenção Mínima

Por fim, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) orienta-se também pelo princípio da retenção mínima de dados, segundo o qual as empresas e Startups devem realizar a imediata exclusão dos dados após serem atingidas as finalidades pelas quais os dados foram coletados.

Em breve você terá acesso a outros textos sobre a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Sua Startup está preparada para cumprir todas as exigências da nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)?

Entre em contato com o Escritório Melo Moreira Advogados, advogados especialistas na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Fale agora com um advogado especializado na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), por e-mail: melomoreiraadvogados@gmail.com ou pelo WhatsApp: (31) 9 9663-5760 .

Leia Também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *