Saiba como aproveitar a Black Friday sem cair em golpes na Internet

Saiba como aproveitar a Black Friday sem cair em golpes na Internet

0 Comentários

A Black Friday é a mais importante data comercial dos Estados Unidos e ocorre anualmente na última sexta-feira de novembro, sempre após a quinta-feira do Dia de Ação de Graças. No Brasil, a Black Friday começou em 2010, especialmente nas grandes lojas online.

Entretanto, não só as lojas online estão atentas em receber cliques e pedidos online, criminosos também aproveitam a data para praticar inúmeros golpes na internet.

A empresa de softwares de segurança Kaspersky Lab afirma ter identificado mais de 107 milhões de tentativas de acesso a páginas de phishing apenas no segundo trimestre deste 2018. E o Brasil se destaca como o país onde esse tipo de ataque é mais comum. Segundo a pesquisa, 15,5% das vítimas desse tipo de ataque cibernético estão no país. A China aparece em segundo, com 14,4%.

Segundo esse levantamento, os principais alvos de ataques de phishing, com 35,7% do total, continuaram sendo grandes portais globais de internet e o setor financeiro, incluindo bancos, serviços de pagamento e lojas virtuais. No entanto, merece destaque que enquanto os ataques às instituições financeiras caíram 8,2 pontos percentuais, ataques contra empresas de TI, que não chegavam a representar 2%, saltaram para 13,8% no período.

“Ao criar páginas falsas de bancos, sistemas de pagamento ou compras, os invasores coletam informações sigilosas de vítimas desavisadas, como seus nomes, senhas, endereços de e-mail, números de telefone, números de cartões de crédito e códigos PIN”, explica a Kaspersky Lab.

Os golpes mais comuns na internet são:

  1. Typosquatting – os criminosos registram sites parecidos com os sites de grandes varejistas apenas com pequenos erros de grafia, aproveitando-se da distração dos usuários de internet. Assim, ao digitar o nome da loja na busca ou no próprio navegador o usuário acessa o site do criminoso acreditando estar na loja virtual. Esses sites maliciosos podem conter vírus ou malwares que infectam o Smartphone ou o computador das vítimas com o intuito de roubar dados;
  2. PHISING – “pescaria online” – os criminosos enviam e-mails em massa, para inúmeros usuários de internet. O objetivo do phishing é capturar dados pessoais dos consumidores, como senha ou cartão de crédito, CPF e contas bancárias. Ao clicar na promoção enviadas por e-mail, o usuário é direcionado para sites falsos criados à imagem e semelhança dos sites “originais” fazendo com que o usuário preencha formulários. Como reconhecer o phishing: normalmente as mensagens recebidas pedem que o usuário revele dados pessoais;
  3. MALWARE: trata-se de um software malicioso que tenta infectar computadores ou dispositivos móveis. Hackers usam malware para extrair informações pessoais ou senhas, roubar dinheiro ou evitar que os proprietários acessem seu aparelho após infectado. Você pode se proteger contra malwares usando software anti-malware;

 

Cuidados que devem ser levados em conta na hora de navegar na internet

Os usuários e consumidores na internet devem sempre manter seus dispositivos atualizados, preferencialmente com a última versão dos sistemas operacionais e também, manter um software anti-vírus instalado. Existem versões gratuitas, entretanto, recomenda-se adquirir um

Algumas dicas para não cair em um golpe na Black Friday!

“Quando a esmola é demais, desconfie!”

– Recebeu um e-mail de uma grande loja com “ofertas imperdíveis”? Desconfie sempre! Você realmente se cadastrou naquele estabelecimento para receber e-mails com promoções? Antes de clicar na promoção do e-mail, acesse o site da loja diretamente pelo navegador de internet. Se a promoção for real, certamente está em destaque no site da loja;

“Utilize sites comparadores de preços”

Em anos passados, muitas lojas virtuais aumentaram o preço dos produtos para abaixá-los no dia da Black Friday, dando assim a impressão de que o desconto era grande. Para evitar esse tipo de problema, é importante checar sites comparadores de preços. Além disso, falsários não anunciam promoções nesses endereços. Existem vários no mercado, faça uma busca no Google.

“O site tem HTTPS”

Antes de preencher formulários, digitar dados pessoais, CPF, endereço completo e dados de cartão de crédito, ou seja, antes de finalizar a compra, verifique se a página possui certificado digital. Na prática, verifique a barra de endereços do navegador e veja se há um cadeado ou o termo https? na URL da página. Isso significa que sua conexão com o site está protegida por criptografia evitando possíveis roubos de dados sensíveis.

“Sites desconhecidos e reputação da empresa online”

A maioria dos grandes varejistas online vendem e entregam os produtos comercializados por eles próprios. Muitas vezes sites com falsas ofertas, oferecem produtos com preços muito baixos, desconfie sempre. Pesquise em redes sociais, sites especializados e até mesmo no Procon sobre a reputação da empresa (ou site) no qual você pensa em efetuar a compra.

“Vendas pelo WhatsApp?”

Porque uma grande rede varejista entraria em contato com você para vender pelo Aplicativo WhatsApp? Grandes lojas podem comercializar produtos com descontos porque compram em grande quantidade e utilizam a internet para diminuir seus custos com lojas, aluguel, vendedores, etc. Ocorre que essas grandes empresas não autorizam seus vendedores a entrar em contato com possíveis clientes por meio do WhatsApp… desconfie sempre que receber uma mensagem pelo aplicativo com ofertas irresistíveis de produtos com preços muito baixos. Certamente existe um espertalhão por trás dessas mensagens

“Evite alguns sites”

O Procon de São Paulo publica uma espécie de “Lista Negra” de sites que devem ser evitados por todos os consumidores online. Tratam-se de sites que foram alvo de reclamações de consumidores registradas no Procon-SP, foram notificados, não responderam ou não foram encontrados. Portanto, existem grandes chances de você ser enganado.

Lista Negra” do Procon-SP: http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php

“Evite Redes Wi-Fi gratuitas”

Evite se conectar em redes wi-fi gratuitas especialmente quando quiser fazer uma compra online ou quando tiver que digitar números do cartão de crédito ou dados bancários. Evite ainda acessar o Internet Banking por meio dessas redes. Os Cybercriminosos podem utilizar essas redes para capturar dados e senhas dos usuários conectados.

 

 

Leia Também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *